Leandro Diehl

Resolva se puder! Caso Clínico Interativo #02

Resolva se puder! Caso Clínico Interativo #02

  Caso Clínico Interativo #02 Uma mulher de 47 anos procurou atendimento devido a dispneia, edema e fraqueza. Ela relatou que o quadro teve início há 2 anos, com dispneia aos grandes esforços. O quadro progrediu gradualmente para dispneia aos pequenos esforços, associado a sensação de edema em face, membros inferiores e abdome. Também queixou-se de muita fraqueza e astenia. Já havia tido vários atendimentos e algumas internações por dispneia nesse período. Em cada atendimento, acabava evoluindo com melhora parcial dos sintomas após uso de Continue lendo

[Grandes Nomes do Raciocínio Clínico] 3: Mark Graber

[Grandes Nomes do Raciocínio Clínico] 3: Mark Graber

  Reduzir os erros diagnósticos em Medicina: esta parece ser a cruzada pessoal do primeiro entrevistado internacional da nossa seção “Grandes Nomes do Raciocínio Clínico”, Dr. Mark Graber. O Dr. Graber, fundador e presidente da Society to Improve Diagnosis in Medicine, é considerado o “pai” dos esforços mundiais para combater os erros diagnósticos em Medicina e um dos maiores experts mundiais no assunto. Contatamos o Dr. Mark Graber por email, e ele gentilmente concordou em responder a algumas perguntas para o nosso blog sobre erros Continue lendo

Xiii… deu zebra! Conheça doenças raras brincando

Xiii… deu zebra! Conheça doenças raras brincando

Você acha importante conhecer doenças raras (as chamadas “zebras” da Medicina)? A grande maioria dos pacientes que vemos no dia a dia tem doenças comuns – pelo simples fato de que elas são… comuns! Mas não se engane: tem muitos portadores de doenças raras por aí. É verdade que uma doença rara atinge poucas pessoas. Isso é o que a define como “rara” (segundo o Ministério da Saúde, uma doença é rara quando atinge até 65 pessoas em cada 100.000). Por isso, se estivermos pensando Continue lendo

[Grandes Nomes do Raciocínio Clínico] 2: Wilson Luiz Sanvito

[Grandes Nomes do Raciocínio Clínico] 2: Wilson Luiz Sanvito

Quando se fala em propedêutica neurológica e diagnóstico em Neurologia, é difícil não lembrar do nome do Prof. Dr. Wilson Luiz Sanvito. Autor do livro “Propedêutica Neurológica Básica” (atualmente na sua segunda edição), ele é conhecido pela sua longa carreira ensinando os segredos do exame neurológico e do raciocínio clínico diagnóstico em Neurologia. O Professor Sanvito é formado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em 1958. Desde 1970, ele é professor titular de Neurologia na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Continue lendo

Caso clínico 3: Uma vítima do sistema

Caso clínico 3: Uma vítima do sistema

Nosso caso clínico deste mês foi traduzido e adaptado do boletim Medical Malpractice Insights, publicado pelo Dr. Charles A. Pilcher. Leia o caso e faça as suas hipóteses! Embaixo do relato do caso, seguem os nossos comentários.   Comentários Este caso ilustra um diagnóstico perdido devido a múltiplos problemas, relacionados tanto ao processo de raciocínio clínico diagnóstico como também a falhas importantes do sistema: Problema 1 O principal determinante de erro diagnóstico neste caso, na nossa opinião, foi um erro cognitivo na etapa da formulação do Continue lendo

Mnemônicos para diagnóstico diferencial: ACERTEINAMOSCA

Mnemônicos para diagnóstico diferencial: ACERTEINAMOSCA

Como já vimos em um post anterior, a causa mais comum para deixar passar um diagnóstico é, simplesmente, não ter pensado nele! Daí a importância do diagnóstico diferencial. Por mais simples que pareça ser o diagnóstico do seu paciente, sempre tente fazer pelo menos 3 hipóteses diagnósticas! Dessa maneira, você vai estar mais preparado para colocar em prática o seu plano B (ou C) caso sua primeira hipótese acabe não se confirmando. Tente incorporar esse exercício simples à sua prática cotidiana! No entanto, às vezes temos Continue lendo

O diagnóstico difícil: zebras, camaleões e unicórnios

O diagnóstico difícil: zebras, camaleões e unicórnios

O diagnóstico difícil: essa besta mitológica que espreita nos cantos dos hospitais universitários para amedrontar os pobres médicos. Um paciente com uma história muito estranha, o exame físico que “não bate”, os exames de laboratório que não fazem muito sentido… Longas e intermináveis discussões de casos em que todos esperam por algum palpite salvador que aponte a direção do diagnóstico correto, mas em que só aparecem dúvidas e mais dúvidas. Pois é. Todo mundo lembra de algum caso assim. Muito embora todos já tenham tido Continue lendo