Pedro Gordan

O grande mentor deste projeto. Mais de 40 anos de vasta experiência como nefrologista, clínico e docente de Medicina.

O raciocínio clínico e a bicicleta

O raciocínio clínico e a bicicleta

Aprender raciocínio clínico, com certeza, é fundamental. Mas o raciocínio clínico não é nenhuma panaceia! Não me entendam mal. Sou o maior defensor da educação médica através do raciocínio clínico. Mas lembremos que o raciocínio clínico é o meio através do qual as pessoas se tornam bons médicos. O bom raciocínio clínico é constituído de um conjunto de fundamentos e traz consigo a necessidade constante de muita prática, pois se alimenta da experiência pessoal e profissional. Assim, devemos entender que o raciocínio clínico não é, Continue lendo

Erro diagnóstico: Dr. Nassib e o mal de Hansen

Erro diagnóstico: Dr. Nassib e o mal de Hansen

Dr. Nassib era um cirurgião, alto, magro e vaidosíssimo. Usava roupas finas e na moda. Reforçava isto dizendo: “meu avô lutou na Batalha de Verdun!“, querendo  dar uma conotação francesa à sua elegância. Era tão vaidoso que pintava seu cabelo, precocemente encanecido, de acaju e fazia suas unhas na manicure, pintando-as com esmalte transparente, apesar de cirurgião, ou por isto mesmo! Entrou esbaforido no meu consultório, deixando um rastro de perfume. – Pedro, estou com lepra!! Naquele tempo a hanseníase era assim chamada, e carregava Continue lendo

Scripts das doenças: Onde tudo começa

Scripts das doenças: Onde tudo começa

* Novidade: Confira mais abaixo o PODCAST sobre este post ! Scripts de doenças O processo diagnóstico está no cerne da prática médica. Nenhuma atitude pode ser tomada e nenhum procedimento pode ser realizado, mesmo na emergência, sem que se saiba usar os seus princípiois. No âmago do processo diagnóstico, estão os scripts das doenças. Os scripts das doenças são as informações que estão armazenadas na memória de longo prazo e ordenadas de forma que o médico pode acessá-las, mesmo intuitivamente, quando ativados. Mas por que usar Continue lendo

Caso clínico 4: Azul com azul se apaga

Caso clínico 4: Azul com azul se apaga

Cenário: um hospital de Londrina/PR, anos 70. L.A.D., 4 anos, filho do meio de um casal trabalhador da classe média baixa, é trazido ao Hospital pela mãe que percebeu que o menino, habitualmente levado, estava cansado e com as “pontas dos dedos azuis” (sic). História da Moléstia Atual: A criança estava perfeitamente normal até há 3 dias, quando, numa visita de rotina ao pediatra, foi declarado normal, com desenvolvimento psicomotor adequado, vacinação em dia e peso e altura compatíveis com a idade. O caso foi Continue lendo

Discussão de casos clínicos: Vamos por partes?

Discussão de casos clínicos: Vamos por partes?

Este post é dedicado às ligas acadêmicas de Medicina de todo o Brasil. As ligas acadêmicas têm um valor inestimável para os estudantes, por se tornarem o lugar onde se aprende aquilo que as faculdades, por sua forma ou conteúdo, não ensinam. As ligas são excelentes quando se trata de criar um currículo paralelo. Discussão de casos clínicos e resolução de problemas são pontos altos e chaves para sua eficiência. Mas as discussões de casos clínicos têm que ser feitas de uma maneira que garanta Continue lendo

Caso clínico 2: Um “causo” amazônico

Caso clínico 2: Um “causo” amazônico

Hoje vamos viajar longe pelo Brasil (pelo menos, para nós, de Londrina!) e chegar ao Amazonas. O caso clínico abaixo foi uma contribuição dos doutores Luis Marcelo Aranha Camargo & Juliana de Souza Almeida Aranha Camargo, que nos conduzirão neste primeiro caso amazonense. Vamos conosco nesta viagem?   Caso clínico amazônico Outro dia estávamos à beira do rio Purus, na localidade de Carapanatuba, município de Humaitá, Amazonas. Um calor de 38oC e uma brisa morna tornavam nosso raciocínio mais lento. A vista do rio Purus, com Continue lendo

[Infográfico] O passo a passo do diagnóstico difícil

[Infográfico] O passo a passo do diagnóstico difícil

O chamado diagnóstico difícil é um termo usado para referir-se a pacientes que, apesar de vistos e examinados por vários médicos, ou repetidamente pelo mesmo médico, ainda não têm um diagnóstico confiável o suficiente para a tomada de decisão de conduta. Esses pacientes ficam, muitas vezes, vagando por consultórios e hospitais por anos a fio, sem encontrar uma explicação para os seus sintomas que seja aceitável para o paciente e para o médico. Em geral, eles chegam à consulta carregando grandes envelopes com um sem-número de Continue lendo