Casos

Caso clínico 5: A ferramenta errada

Caso clínico 5: A ferramenta errada

8 minutos O caso clínico abaixo foi traduzido e adaptado a partir de um relato originalmente publicado na PSNet (Patient Safety Network), comentado pelos doutores Casey Cable, David Murphy e Greg Martin. Confira:   Caso clínico Um homem de 88 anos procurou o pronto-socorro com dor lombar há 2 dias. O paciente era hipertenso e tinha um prolapso de valva mitral com regurgitação. Na chegada, estava em bom estado geral, consciente, orientado, PA 130x75mmHg, FC 65bpm, FR 16irpm, temperatura 36,3oC e saturação de oxigênio Continue lendo

Hall da Fama do Raciocínio Clínico

Hall da Fama do Raciocínio Clínico

2 minutos Veja abaixo quem foram os leitores que deram as melhores respostas para os nossos Casos Clínicos Interativos!   MELHORES RESPOSTAS DO CASO INTERATIVO #03: Categoria OURO Amaury Quaggio Neto: médico formado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP (FMRP-USP) Categoria PRATA Matheus Boaventura Santos:  acadêmico de Medicina na Universidade Federal de Sergipe – UFS, em Aracaju (SE) Categoria BRONZE Caroline Martins da Silva: médica endocrinologista, formada pelo Centro Universitário São Lucas (RO), com residência pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Continue lendo

DESAFIO: Faça o diagnóstico! Caso clínico interativo #01

DESAFIO: Faça o diagnóstico! Caso clínico interativo #01

3 minutos Estamos trazendo uma proposta diferente: um caso clínico interativo! Abaixo, apresentamos um caso clínico e vocês, leitores do blog, poderão levantar suas hipóteses diagnósticas e sugerir exames complementares para investigação! Na semana seguinte à publicação do caso clínico, traremos quais foram as respostas mais frequentes dos leitores, bem como o diagnóstico final do caso clínico interativo com os nossos comentários. Os leitores que derem as melhores respostas para este caso serão imortalizados no nosso Hall da Fama do Raciocínio Clínico!   * Continue lendo

Caso clínico 4: Azul com azul se apaga

Caso clínico 4: Azul com azul se apaga

5 minutos Cenário: um hospital de Londrina/PR, anos 70. L.A.D., 4 anos, filho do meio de um casal trabalhador da classe média baixa, é trazido ao Hospital pela mãe que percebeu que o menino, habitualmente levado, estava cansado e com as “pontas dos dedos azuis” (sic). História da Moléstia Atual: A criança estava perfeitamente normal até há 3 dias, quando, numa visita de rotina ao pediatra, foi declarado normal, com desenvolvimento psicomotor adequado, vacinação em dia e peso e altura compatíveis com a idade. Continue lendo