Revisões

Textos e artigos de revisão sobre tópicos relacionados ao Raciocínio Clínico.

O checklist do diagnóstico seguro

O checklist do diagnóstico seguro

10 minutos Como um checklist podem nos ajudar a melhorar a segurança diagnóstica? Leia a seguinte história para entender:   Checklists na Medicina Dentre as exigências da Medicina moderna, vemos uma mudança cultural crescente em direção à qualidade e à segurança. Muitos esforços têm sido empreendidos nesse sentido. Um grande exemplo são as 6 metas internacionais de segurança do paciente. É aqui que entram os checklists, que são uma maneira prática e efetiva de prevenir erros.   As limitações humanas Nós somos necessariamente falíveis. Há tarefas Continue lendo

7 estratégias antivieses para não errar diagnósticos

7 estratégias antivieses para não errar diagnósticos

10 minutos Você sabia que 95% das nossas decisões são inconscientes? No dia a dia, a imensa maioria das nossas decisões é tomada usando heurísticas (“atalhos” de pensamento), que predispõem a vieses (disposições “programadas” para responder a estímulos de maneiras predeterminadas). Não à toa, os vieses são a maior fonte de erros diagnósticos. Felizmente, existem maneiras de atenuar o impacto dos vieses no nosso raciocínio diagnóstico e aumentar a segurança diagnóstica: são as estratégias antivieses.   O que são estratégias antivieses? Qualquer processo desenhado Continue lendo

Todos iguais? Uma classificação dos vieses

Todos iguais? Uma classificação dos vieses

9 minutos Como já vimos em posts anteriores, os vieses cognitivos e afetivos são uma causa importante de erros diagnósticos em Medicina. Ao ler sobre eles, muitas vezes ficamos com a impressão de que: todos os vieses têm a mesma origem; todos os vieses são igualmente difíceis de contornar ou prevenir; algumas poucas estratégias genéricas “antivieses” podem ser igualmente úteis contra todos os vieses. Na verdade, muitos vieses têm múltiplos determinantes, o que torna difícil a aplicação de uma única intervenção para combatê-los. A Continue lendo

Como ajudar seu médico: 5 dicas práticas para pacientes

Como ajudar seu médico: 5 dicas práticas para pacientes

10 minutos Sempre falamos neste blog sobre como os médicos podem pensar melhor para formular diagnósticos mais corretos. Mas e o principal interessado – o paciente? Como os pacientes podem ajudar seu médico a encontrar o seu diagnóstico, obtendo assim o melhor tratamento possível? Elaboramos uma animação com 5 dicas práticas para que os pacientes saibam como ajudar seu médico. Veja, ponha em prática e compartilhe!   Ainda, neste post, falaremos sobre como ajudar seu médico a evitar erros diagnósticos. Também mostraremos a importância de buscar Continue lendo

Relação médico-paciente: o “médico autoritário” e o “paciente difícil”

Relação médico-paciente: o “médico autoritário” e o “paciente difícil”

7 minutos A boa relação médico-paciente não aparece do nada, por acaso. Ela é construída por bons profissionais, que procuram sempre expandir sua visão e conhecer melhor o ser humano enfermo. No post de hoje, vamos diferenciar autoridade de autoritarismo, compreender melhor as percepções e medos dos pacientes, e entender o que é necessário para conseguir estabelecer uma relação de autêntica parceria com o doente.   Autoridade x autoritarismo O autoritarismo médico, diferente da autoridade, é um modo de agir que impõe as opiniões Continue lendo

Anamnese focada: use com moderação

Anamnese focada: use com moderação

6 minutos Temos visto muitos alunos e médicos recém-formados falando que é importante fazer uma anamnese focada, a fim de otimizar o tempo e ter mais clareza no processo, já que os pacientes podem dizer coisas desnecessárias e confundir as coisas. Em algumas páginas de Facebook, que tentam ser bem-humoradas (mas que são medíocres), a orientação é essa mesmo: não “perder tempo com o paciente”, e perguntar logo o que é preciso. Prezamos muito a anamnese. Para nós, essa é a parte mais importante Continue lendo

Como ajudar o patologista a ajudar você

Como ajudar o patologista a ajudar você

5 minutos Autor: Dr. Paulo Roberto Grimaldi Oliveira   Chega o paciente ao médico com seus dados pessoais: sexo, idade, antecedentes familiares, doenças pregressas, sinais e sintomas da doença atual. Surge a primeira opinião diagnóstica. São pedidos exames de laboratório e algumas imagens. Depois de alguns dias, nova avaliação e uma segunda opinião, mais robusta porque baseada em mais informações. Em alguns pacientes, a análise conjunta de todos os dados disponíveis acaba levando à suspeita de uma doença mais grave – talvez, de natureza maligna. A biópsia vem por último, quando nada Continue lendo