Uma descoberta através da música

Tempo de leitura: 7 minutos

Contrariado, o doutor caminhou até a UTI. Como médico de adultos, incomodava-o ter que atender uma criança, porém era preciso, o pediatra estava viajando. Já resignado e com passo firme, empurrou as duas folhas das portas e adentrou a unidade.

UTI - Um conto médico de Natal - Raciocínio Clínico

Procurou a enfermeira e perguntou sobre a situação da criança. Depois sentou, leu com calma o prontuário, o histórico, a evolução. No leito, encontrou um garoto de seis anos, grave, com queimaduras; vítima de mais uma tragédia, ele pensou. Sentiu o peso de um olhar. Sentada num canto, uma jovem mulher aflita o observava.

Respirou fundo, apresentou-se com delicadeza e informou à mãe o que lá fazia; quieta, assentiu com a cabeça. Começou a observar atento o cenário: analisou os medicamentos infundidos, verificou o aparelho de ventilação mecânica e depois examinou o menino. Que graça de menino, parecia um anjinho renascentista!, mas precisava de diálise. A equipe, avisada da gravidade, já preparara o material para colocação do cateter.

Tornou à mãe, perguntou-lhe o nome, Lúcia, ela disse. Explicou-lhe a seriedade e a necessidade do tratamento; ela fez algumas perguntas e concordou. Compassivo, questionou de onde ela era. De outra cidade, respondeu, distante dali umas cinco horas, e estava no hospital com o filho há quatro dias. Tentou contar outras coisas, mas as lágrimas a interromperam. O doutor esboçou uma face amável e pediu a ela que deixasse o quarto.

Realizou o procedimento, não mais difícil que outras vezes, até fácil – quantas vezes já não o fizera! – mas com cuidado redobrado e mais devagar, temeroso, como se fosse em seu filho… Rapidamente cortou essa divagação e concluiu o que havia começado.

Mãe - Um conto médico de Natal - Raciocínio ClínicoProcurou na sala de espera e encontrou Lúcia recurvada no sofá, seu queixo quase tocando os joelhos, as mãos unidas entre as pernas. Correu tudo bem, ele disse, logo começa a diálise. Poderia ter dito mais, mas não conseguiu. Lúcia apenas levantou os olhos, vermelhos de choro e cansaço. Também ela gostaria de ter ouvido ou falado mais; na verdade, queria gritar e implorar por uma certeza de que não perderia o filho e que lhe dissessem que o acidente não foi culpa sua, mesmo que, Deus sabe disso, não o fosse. Trocaram apenas olhares e um gentil afago do doutor nos cabelos da mãe finalizou o encontro.

Caminhou pensativo até o estacionamento, estava exausto. Ligou o carro, acendeu os faróis, alongou o pescoço, duas vezes para cada lado, colocou algo para ouvir e foi para casa.

 

 (Dê o PLAY abaixo para ouvir a música junto com o doutor!)

ou CLIQUE AQUI PARA BAIXAR A MÚSICA (se não conseguir reproduzir)

 

Imagens começaram a brotar em sua mente. No início, viu o tormento daquela mãe, doída, aguardando o procedimento. Pensou nas pessoas simples e humildes que aceitam em silêncio o sofrimento; já ele, quantas vezes não reclamara por bobagem. A noite, longa para Lúcia, não trazia sono nem repouso. Contemplava inerte os aparelhos, a diálise. As medicações, gotejando em câmera lenta, infundiam-lhe esperança. Os sons do respirador e os bips dos monitores a embalavam e sonhava acordada – o nascimento do filho, primeiros passos e palavras, beijos, mamãe, papai. Que alegria!… Mas logo voltava à realidade com alguém que passava, e novamente a angústia, a recordação do momento trágico oprimindo seu peito. Será que ele vai conseguir? Meu bebê…. Uma prece a Deus, confiança, alento, e novamente medo, incerteza.

De repente, o doutor percebeu-se a meio caminho de casa. Sobressaltado, piscou os olhos rapidamente e sacudiu a cabeça, como se voltasse de um transe. Dirigira até aquele ponto e não sabia como. Localizou-se e reparou ao fundo uma música, uma melodia triste, com altos e baixos de sofrimento e esperança. Que surpresa, ela o tinha conduzido até ali. Inebriado, terminou o percurso, chegou ao lar, cumprimentou a família, pediu licença e foi para um canto.

Sozinho e sem mais distrações, terminou de desfrutar aquele momento. Uma sequência de emoções transmitidas por notas musicais agradavelmente ordenadas tocava o âmago de sua alma. Era uma mistura de imagens, impressões e sensações fluindo com a cadência musical; uma alternância de dor profunda, angústia, resignação, saudade, alegria.

Haydn - Um conto médico de Natal - Raciocínio Clínico
Haydn

O quarteto de cordas de Haydn (op. 2, No. 4; Adagio) o encantou e conduziu seu espírito para um mundo imaginário, mas verossímil, de outra pessoa.

Extasiado por tal experiência, guardou-a e meditou por vários dias. Repetiu a sensação tornando à música e, ainda que não tivesse mais a mesma força, a lembrança era viva. Misteriosamente, entrara no interior de um ser humano. Cativado por essa descoberta, encontraria também seu próprio eu.

Até então ele não havia compreendido o efeito da experiência estética na vida humana. Como pode ela ser capaz de tocar nosso espírito? Que profundidade é essa que vai além do belo e prazeroso, passando pelo autoconhecimento e inteligência emocional, chegando até à compaixão?

 

. . .

 

Quanto nós, médicos, já não vimos de provação e tragédia? Eu já passei por momentos de agonia e incerteza. Meu pai ficou muitos dias internado em uma UTI. Para os entes queridos, esta é uma situação dura, acompanhada de impotência e insegurança. Não importam as previsões, as chances, há somente duas possibilidades: cura ou morte, 50%, só isso. Meu pai morreu na UTI.

Contemplar o sofrimento é difícil, machuca, principalmente quando estamos perto. É possível e necessário tirar lições, mas num momento posterior. A arte não, ela permite um olhar afastado e profundo. É um tipo de conhecimento que envolve inteligência, memória, imaginação, mas dá espaço para a alma e para o transcendente. Traz conforto e plenitude.

Mais ainda, é uma espécie de purificação. Colocados diante de nossas emoções e medos, os encaramos sem nenhum perigo real à nossa existência e os convertemos em força e motivação. Encontramos a beleza, mascarada pelo sofrimento; revela-se o sentido, oculto aos nossos olhos.

Música - Um conto médico de Natal - Raciocínio Clínico

Que os médicos tenham maior apreço pela arte, em especial pela música; ela nos educará e tornará mais pacientes,  serenos e compassivos.

A música está acessível a quem quiser. Basta começar e aos poucos aprender essa nova linguagem. Sugiro, para os iniciantes o livro “Como Ouvir e Entender Música”, do compositor Aaron Copland.

Ouça a música e o seu coração; o resto, sua alma o fará.

 


Feliz Natal - Raciocínio Clínico

Desejamos um FELIZ NATAL e um ÓTIMO 2018 a todos os nossos leitores e colaboradores!

São os votos dos editores deste blog,

Pedro, Fabrizio e Leandro

 


PARA SABER MAIS:

Copland A. Como Ouvir e Entender Música. São Paulo: É Realizações, 2013.

 


ADVERTÊNCIA: Este conto é uma obra de ficção inspirada em experiências da vida médica cotidiana do autor, mas de nenhum modo reflete fatos ou personagens específicos. Todos os fatos, situações e personagens deste conto são fictícios.

Fotos: Foter.com

 


Seja nosso assinante!

Informe seu nome e email para receber grátis todas nossas novidades!

 

Comentários