Identidade profissional: como tornar-se médico

Tempo de leitura: 8 minutos

Confesso: eu imitei muita gente.

Imitei médicos, professores, residentes. Imitei coisas boas e, sinto dizer, ruins também.

Mas chegou o dia que eu precisava ser um médico autêntico, uma pessoa com identidade própria.

Mas sabe por que eu imitava?

Ora, porque eu não sabia ainda como agir. Eu estava aprendendo a me comportar.

Neste post, eu vou falar justamente sobre como ser uma médica ou um médico autêntico.

 

 

Quais os comportamentos esperados, os valores e virtudes que você deve cultivar para ter uma identidade profissional bem formada?

Eu falo sobre tudo isso no vídeo acima. Você pode escolher: pode assistir só o vídeo, ou ler só o texto, ou as duas coisas. Como preferir!

Ao final, você vai aprender:

  • Quais são os elementos da identidade profissional;
  • Modelos para ter em mente;
  • Como integrar a técnica e a humanidade;
  • 3 dicas para desenvolver melhor sua identidade profissional de médico.

Você pode se estar se perguntando: “por que eu preciso saber disso tudo?”

A resposta simples é: porque você é o maior responsável pela sua formação!

Então acompanhe até o final!

 

A importância dos modelos

Sempre carreguei comigo modelos: pessoas, médicos, que me marcaram pela sua excelência. Muitas vezes, até hoje, quando estou em dúvida, ainda me pergunto o que eles fariam nesta ou naquela situação.

Mas a necessidade de “ser eu mesmo” é grande em todo mundo. Em mim. Em você também. E, na minha busca, era isso que eu queria encontrar: uma identidade profissional que estivesse de acordo com a Medicina, mas também em harmonia com meu jeito de ser como indivíduo.

E é sobre isso que eu quero falar para você. Isso vai ajudar você, assim como me ajudou. Mas espero que você tenha acesso a isso num momento mais precoce, para você crescer melhor, mais rápido e com mais consciência.

 

Você sabe o que é identidade profissional?

Jaleco - Identidade profissional - Blog Raciocínio Clínico

Identidade profissional é o modo próprio de agir e pensar, que é comum entre pessoas que exercem o mesmo ofício, e que é específico dessa profissão.

Algumas profissões têm isso de maneira mais exuberante, como os militares, os médicos, os professores, entre outros.

Mas a identidade profissional também é mais que só conhecimento ou atitude.

É SER!

É uma unidade de pensar, agir, sentir e querer, própria de uma profissão.

 E, se você é estudante de Medicina, essa é sua meta final: SER MÉDICO!

 

O que compõe a identidade profissional?

Durante a faculdade, ganhamos conhecimentos e adquirimos comportamentos.

Conforme vemos pacientes, percebemos que existe uma maneira profissional de agir que ultrapassa apenas os bons modos ou o bom senso (embora estes também sejam necessários). Há habilidades específicas que devem ser desenvolvidas.

A esse conjunto de habilidades e competências, podemos chamar de profissionalismo.

Profissionalismo - Identidade Profissional - Blog Raciocínio Clínico
Adaptado de: Mueller PS. Keio J Med, 2009.

 

Competências

Grande parte da sua identidade profissional é composta, em primeiro lugar, das competências médicas.

Abaixo apresentamos uma lista de competências médicas consideradas essenciais:

 

Competências médicas essenciais:

O que o médico é capaz de fazer:

  • Habilidades clínicas​
  • Procedimentos práticos​
  • Investigações em pacientes​
  • Manejo de pacientes​
  • Promoção saúde e prevenção de doenças​
  • Comunicação​
  • Informática médica​

Como realiza sua prática:

  • Ciências básicas, sociais e clínicas​
  • Atitudes, compreensão ética e responsabilidades legais​
  • Habilidades de tomada de decisão e raciocínio clínico​

O Médico como profissional:

  • Missão do médico dentro do serviço de saúde​
  • Desenvolvimento pessoal

TheScottish doctor” model (Simpson et al, 2002)

 

(Você também pode baixar uma lista de competências no nosso post anterior sobre o Guia do Internato Médico.)

 

Mas profissionalismo não é só isso! Tem mais componentes importantes – como, por exemplo, as virtudes e o compromisso com a sociedade.

 

Virtudes

Por mais que adquira competências, elas ainda não dão a autenticidade ou a identidade que você procura.

Elas são ainda externas ao seu caráter, não afetam a personalidade de maneira mais profunda. Não integram no ser o coração, a vontade.

Por isso as virtudes.

Uma pessoa não é pontual, trabalhadora, corajosa de maneira espontânea ou natural. Isso é adquirido, com esforço e treino. Isso é virtude. E forma o caráter porque as virtudes se orientam para coisas boas como a justiça, a bondade, o altruísmo.

Na medicina é preciso muita virtude, muita força moral para manter o ritmo de trabalho e estudo, honestidade, autocontrole, humildade. E fazer isso sempre!

 

O médico e a sociedade

Identidade profissional - Blog Raciocínio Clínico

“Profissão” vem de professar, assumir algo publicamente.

Fazemos um juramento, professamos diante de todos o nosso comprometimento com a vida. E a sociedade espera isso da gente.

Essa responsabilidade também vem acompanhada da sensação de pertencermos a um grupo, uma comunidade.

Começa quando participamos da Cerimônia do Jaleco e vai aumentando até que somos parte de uma classe profissional.

Não esqueça, você é importante para a sociedade. É querido e estimado, pois as pessoas reconhecem sua profissão e têm expectativas.

Nós temos que estar à altura dessas expectativas.

Essa é a nossa MISSÃO!

 

Humanismo e Humanidades

O que você percebeu até agora de importante?

Percebe que há uma unidade? Uma pessoa com personalidade, caráter, profissão e missão.

Isso só é possível graças ao âmbito humanístico. É essa abertura para o mundo, para o próximo.

É como nossa visão de mundo, da realidade, com seus valores e ideais.

É também um modo de ação que visa o bem dos outros, da sociedade e da humanidade.

É a autodeterminação da pessoa livre que também quer crescer, melhorar e ser feliz.

Uma profissão bem vivida conduz a tudo isso!

 

E o raciocínio clínico?

Como você já deve ter notado, o raciocínio clínico também é uma parte fundamental da prática médica.

Um raciocínio adequado também contribui para a autoestima do médico, que sente-se confiante e capacitado para trabalhar bem, pensar corretamente e chegar a conclusões acertadas em benefício do paciente.

Num post anterior, comentei que o raciocínio clínico é a pedra angular da Medicina. Isso porque, no encontro clínico com o paciente, unimos todas as competências, virtudes, modos de agir em torno do raciocínio. Pois não haveria razão para tudo isso se não fosse para chegar a um diagnóstico ou tratamento.

 

Estágios do desenvolvimento da identidade profissional

Antes de chegarmos às dicas, quero compartilhar algumas impressões.

Há alguns anos, tendo pensado já bastante sobre a formação humana em geral e a médica em particular, deparei-me com um artigo (uma série de artigos, na verdade).

Veja o que encontrei:

Pirâmide de Muller - Identidade Profissional - Blog Raciocínio Clínico

Essa imagem (se você conhece, percebeu que é uma modificação da famosa Pirâmide de Muller) mostra alguns estágios pelo qual devemos passar até chegarmos ao SER médico.

No vídeo acima eu explico melhor, mas, resumidamente, é sair de um estágio de conhecimento abstrato para chegar até um modo onde estão bem incorporados os valores, habilidades, competências, virtudes em uma identidade profissional sólida.

 

Três dicas para você desenvolver sua identidade profissional na Medicina

1) Modelos: Tenha modelos para imitar. Enquanto você ainda aprende, imite BONS modelos. É o modo de falar com o paciente, explicar as coisas, realizar o exame físico. Muitos modos você vai acabar levando consigo, outros mudarão de acordo com seu jeito.

2) Valores: Saiba com clareza os valores médicos, aqueles que devem fazer parte da sua busca contínua. São os que te darão excelência. No post tem uma lista deles para ajudar.

3) Observação e Reflexão: Tire o máximo proveito das suas experiências. Para isso, só sendo curioso, observando bem e refletindo. Quando você achar que agiu mal, reflita e entenda seus motivos e emoções. Desenvolva pensamento crítico. O mesmo vale para maus exemplos. Se algo faltou ou está mal em você ou em alguém que devia dar exemplo, seja crítico e proativo. Aprenda com o oposto, com a ausência. Cresça diante dos obstáculos.

Identidade Profissional - Blog Raciocínio Clínico

Esperamos que este post ajude você a enxergar melhor o “caminho das pedras” para a formação da sua própria identidade profissional como médico ou médica.

 


PARA SABER MAIS:

Mueller PS. Incorporating professionalism into medical education: the Mayo Clinic experience. Keio J Med, 2009.

Pellegrino ED. Professionalism, profession and the virtues of the good physician. Mt Sinai J Med, 2002.

Cruess RL, Cruess SR, Steinert Y. Amending Miller’s Pyramid to Include Professional Identity Formation. Acad Med, 2016.

 


Seja nosso assinante!

Informe seu nome e email para receber grátis todas nossas novidades!

Comentários