Caso clínico 3: Uma vítima do sistema

Caso clínico 3: Uma vítima do sistema

13 minutos Nosso caso clínico deste mês foi traduzido e adaptado do boletim Medical Malpractice Insights, publicado pelo Dr. Charles A. Pilcher. Leia o caso e faça as suas hipóteses! Embaixo do relato do caso, seguem os nossos comentários.   Comentários Este caso ilustra um diagnóstico perdido devido a múltiplos problemas, relacionados tanto ao processo de raciocínio clínico diagnóstico como também a falhas importantes do sistema: Problema 1 O principal determinante de erro diagnóstico neste caso, na nossa opinião, foi um erro cognitivo na etapa Continue lendo

Caso clínico 2: Um “causo” amazônico

Caso clínico 2: Um “causo” amazônico

6 minutos Hoje vamos viajar longe pelo Brasil (pelo menos, para nós, de Londrina!) e chegar ao Amazonas. O caso clínico abaixo foi uma contribuição dos doutores Luis Marcelo Aranha Camargo & Juliana de Souza Almeida Aranha Camargo, que nos conduzirão neste primeiro caso amazonense. Vamos conosco nesta viagem?   Caso clínico amazônico Outro dia estávamos à beira do rio Purus, na localidade de Carapanatuba, município de Humaitá, Amazonas. Um calor de 38oC e uma brisa morna tornavam nosso raciocínio mais lento. A vista do Continue lendo

Mnemônicos para diagnóstico diferencial: ACERTEINAMOSCA

Mnemônicos para diagnóstico diferencial: ACERTEINAMOSCA

4 minutos Como já vimos em um post anterior, a causa mais comum para deixar passar um diagnóstico é, simplesmente, não ter pensado nele! Daí a importância do diagnóstico diferencial. Por mais simples que pareça ser o diagnóstico do seu paciente, sempre tente fazer pelo menos 3 hipóteses diagnósticas! Dessa maneira, você vai estar mais preparado para colocar em prática o seu plano B (ou C) caso sua primeira hipótese acabe não se confirmando. Tente incorporar esse exercício simples à sua prática cotidiana! No entanto, Continue lendo

[Infográfico] O passo a passo do diagnóstico difícil

[Infográfico] O passo a passo do diagnóstico difícil

2 minutos O chamado diagnóstico difícil é um termo usado para referir-se a pacientes que, apesar de vistos e examinados por vários médicos, ou repetidamente pelo mesmo médico, ainda não têm um diagnóstico confiável o suficiente para a tomada de decisão de conduta. Esses pacientes ficam, muitas vezes, vagando por consultórios e hospitais por anos a fio, sem encontrar uma explicação para os seus sintomas que seja aceitável para o paciente e para o médico. Em geral, eles chegam à consulta carregando grandes envelopes com Continue lendo

Você sabe ouvir o paciente? A arte da anamnese

Você sabe ouvir o paciente? A arte da anamnese

13 minutos Recentemente, fui chamado para avaliar um paciente hospitalizado por piora da função renal e diminuição do débito urinário. Era um senhor dos seus 60 anos, conversador, mas com uma face sofrida. Ansioso, logo que me apresentei já respondeu que precisava de ajuda, pois não estava bem e não estavam fazendo nada por ele. O olhar suplicante e humilde desse senhor me chamou a atenção e pus-me a ouvir o paciente um pouco. Logo fiquei sabendo que havia sido submetido a 4 cirurgias Continue lendo

O diagnóstico difícil: zebras, camaleões e unicórnios

O diagnóstico difícil: zebras, camaleões e unicórnios

12 minutos O diagnóstico difícil: essa besta mitológica que espreita nos cantos dos hospitais universitários para amedrontar os pobres médicos. Um paciente com uma história muito estranha, o exame físico que “não bate”, os exames de laboratório que não fazem muito sentido… Longas e intermináveis discussões de casos em que todos esperam por algum palpite salvador que aponte a direção do diagnóstico correto, mas em que só aparecem dúvidas e mais dúvidas. Pois é. Todo mundo lembra de algum caso assim. Muito embora todos Continue lendo

Vieses cognitivos: programados para errar

Vieses cognitivos: programados para errar

16 minutos Uma das principais características da vida para nós, humanos, é que temos que tomar milhares de decisões todos os dias, sobre praticamente tudo. Para isso, usamos nosso conhecimento do mundo, nossas preferências pessoais e nossos processos mentais de raciocínio. Se você é um ser humano normal, você deve estar bastante convencido de que o seu raciocínio é imparcial, lógico e racional, e por isso você chega a conclusões corretas na grande maioria das vezes. Ao mesmo tempo, se você é um ser Continue lendo