Outro dia, tomei um baita susto quando um aluno me disse que nunca tinha ouvido falar de Sir William Osler.

Como assim?!…

Osler é considerado por muitos como o pai da Medicina moderna!

Foi então que resolvi escrever este texto. A ideia é apresentar Osler às jovens gerações que ainda não o conhecem – e também trazer alguns fatos novos e interessantes para quem já o conhecia.

Sir William Osler (1912). Pintura de Harry Herman Salomon
Sir William Osler (1912). Pintura de Harry Herman Salomon

QUEM FOI WILLIAM OSLER?

É inevitável: basta conhecer um pouquinho melhor a história de Sir William Osler e já torna-se impossível pensar em alguém que tenha tido tanto impacto na Medicina e na educação médica atuais quanto ele.

Só para ter uma ideia das contribuições de Osler: ele inventou o ensino da Medicina à beira do leito, criou a residência médica e foi um dos responsáveis pela entrada das primeiras mulheres nas faculdades de Medicina norte-americanas. Ainda por cima, escreveu o tratado médico mais importante da sua época, contribuiu para o estudo de inúmeras doenças (já ouviu falar dos nódulos de Osler?) e foi um dos descobridores das plaquetas. Tá bom, ou quer mais?

Continue lendo para saber mais sobre essa figura tão importante da História da Medicina!

William osler: uma curta biografia

Sir William Osler - Grandes Nomes do Raciocínio Clínico 6 - Biografia
O jovem William Osler

Nascido em uma pequena aldeia no inóspito interior do Canadá em 1849, William Osler formou-se médico pela McGill University em 1872, e logo foi estudar Patologia com o grande Rudolf Virchow, em Viena.

Depois disso, voltou para sua escola de origem como professor e patologista. Pouco depois, começou a atender como clínico, e foi aí que começou a formar seu estilo: valorizando a relação médico-paciente, a observação e o rigor científico.

Daí em diante, deu início a uma carreira incrivelmente brilhante como médico, pesquisador, escritor e filósofo da Medicina. Seus papéis mais marcantes, todavia, foram os de mestre e educador, ajudando a formar gerações de médicos na América do Norte e depois na Europa.

Osler tinha uma curiosidade aguçada que o fazia investigar cada sintoma e cada achado ao exame físico com um espírito de verdadeiro explorador. Depois, descrevia detalhadamente os seus achados em inúmeras publicações científicas – tudo isso sem nunca perder de vista a face humana da prática médica, devotando verdadeiro cuidado e compaixão aos seus pacientes.

Ensinou Medicina da mesma maneira que sempre a praticou: como arte embasada em conhecimento científico e guiada por valores humanistas.

Depois de McGill, aceitou um convite para lecionar na Universidade da Pensilvânia, em Filadélfia, a escola médica mais antiga dos Estados Unidos.

O reconhecimento pelo seu trabalho na Filadélfia acabou rendendo outro convite, este mais desafiador. Osler foi um dos fundadores da escola médica da Johns Hopkins University, em Baltimore, criada para ser a melhor do mundo à época.

Foi médico-chefe do recém-fundado Johns Hopkins Hospital e trabalhou lado a lado com outros grandes nomes, como o cirurgião William Halsted, o ginecologista Howard Kelly e o patologista William Welch, todos expoentes em suas áreas.

William Osler na Johns Hopkins

"The Four Doctors" (1906), pintura de John Singer Sargent exposta na Johns Hopkins University.

Foi na época áurea da Johns Hopkins que Osler ajudou a lançar inúmeras inovações que hoje são pilares da prática e do ensino atuais da Medicina.

Uma delas foi a quebra do paradigma então vigente nas escolas médicas. Os estudantes aprendiam Medicina lendo livros, dissecando cadáveres e ouvindo palestras em salas de aula. Osler insistiu em levar os estudantes para dentro do hospital, para aprender diretamente com os pacientes – e hoje é impensável aprender Medicina de outra forma. Para ele, o aluno de Medicina “começa com o doente, continua com o doente e finaliza os seus estudos com o doente, usando livros e aulas como ferramentas, como meios para um fim.”

Fazia visitas diárias à enfermaria, seguido por dezenas de estudantes, que observavam-no, curiosos, enquanto ele examinava minuciosamente os doentes. Às vezes fazia descobertas surpreendentes, como o diagnóstico de aneurismas de aorta, sem usar outro equipamento além do seu estetoscópio e do seu incrível poder de observação. Andava rápido e subia escadas correndo, para não perder tempo para clinicar, estudar e ensinar.

Outra inovação de Osler, não menos importante, foi a luta em defesa do ingresso das primeiras mulheres em escolas médicas norte-americanas. Por sua influência, a Johns Hopkins foi uma das primeiras faculdades a aceitarem mulheres em classes “mistas” (com alunos de ambos os gêneros).

Finalmente, Osler também entendeu que a Medicina era uma profissão em constante evolução, e por isso defendeu a continuidade do estudo após a graduação. Esse foi um dos motivos que o levaram a criar os primeiros programas de residência médica em Baltimore (tinham esse nome porque os primeiros residentes, de fato, moravam dentro do hospital!). Logo esses programas foram copiados mundo afora.

osler: clínico, educador, modelo

William Osler - ensino de medicina nas enfermarias - raciocínio clínico
Osler com os estudantes na enfermaria

O Dr. William Osler era querido por todos, admirado e citado por muitos.

Os colegas médicos solicitavam sua opinião em casos difíceis e, quando adoeciam, pediam a Osler para cuidar deles.

Recebia os estudantes aos finais de semana em sua casa como se fossem da família, e os enchia de histórias, conselhos e ensinamentos. Muitos pupilos acabaram tornando-se, depois, grandes médicos, professores e pesquisadores, por influência direta sua. Um deles foi Harvey Cushing, um dos maiores cirurgiões do século XX, que foi residente de Cirurgia em Hopkins e depois veio a escrever sua biografia: “The Life of Sir William Osler.”

Em 1892, Osler escreveu, sozinho e em poucos meses, aquele que seria o tratado de Medicina mais importante da Medicina pelas 4 décadas seguintes: o “Principles and Practice of Medicine; Designed for the Use of Practitioners and Students of Medicine” (Princípios e Prática da Medicina: Desenhado para o uso de médicos e estudantes de Medicina).

Principles and practice of Medicine - William Osler - Raciocínio Clínico
Primeira edição do livro de William Osler

Sir Osler entendeu como ninguém a importância de pensar em diagnósticos de forma probabilística, tanto que um de seus aforismas mais famosos é o que reza que “a Medicina é uma ciência de incerteza e uma arte de probabilidade.”

Presidiu inúmeras sociedades médicas e científicas, foi nomeado cavaleiro (“Sir”) pelo rei da Inglaterra, publicou vários outros livros e centenas de artigos (muitos deles citados até hoje) e terminou seus dias como Professor Emérito (“Regius Professor”) de Medicina da célebre Universidade de Oxford, na Inglaterra, uma honraria nunca antes concedida a um estrangeiro.

William Osler morreu em Oxford aos 70 anos, em 1919, de pneumonia, durante a epidemia de gripe espanhola.

Sua influência foi tão fenomenal, tão vasta e tão duradoura que até hoje existem Sociedades Oslerianas pelo mundo afora, dedicadas ao estudo e perpetuação das suas obras e das suas principais ideias.

Sir William Osler na sua mesa em Oxford

OSLER COMO EPÔNIMO

Algumas das descobertas de Osler que levam seu nome são:

  • o sinal de Osler (uma leitura anormalmente alta da pressão arterial devido à calcificação arterial);
  • a manobra de Osler (palpação da artéria radial após interrupção do fluxo sanguíneo pela insuflação do manguito do esfigmomanômetro);
  • os nódulos de Osler (nódulos dolorosos nas polpas dos dedos, encontrados na endocardite);
  • a doença de Osler-Weber-Rendu (também conhecida como telangiectasia hemorrágica hereditária);
  • a doença de Osler-Vaquez (antigo nome da policitemia vera);
  • a síndrome de Osler-Libman-Sacks (endocardite asséptica, vista no lupus eritematoso sistêmico);
  • a tríade de Osler (associação de pneumonia, endocardite e meningite);
  • o nematoide Oslerus osleri (um parasita comum de cães, descoberto por Osler durante seu período como professor em McGill).

ALGUMAS CURIOSIDADES SOBRE SIR WILLIAM OSLER

Clique no botão abaixo para conferir algumas curiosidades sobre Sir William Osler. Quantas delas você já conhecia?…

QUER LER UMA ENTREVISTA COM SIR WILLIAM OSLER?

Os editores do Raciocínio Clínico deram um jeito de conversar com o Dr. Osler (usando a imaginação e o que sabemos das ideias dele pelos seus escritos).

Confira na semana que vem o que William Osler tinha a dizer sobre Medicina, educação médica e raciocínio clínico!

PARA SABER MAIS:

Bliss M. William Osler: A Life in Medicine. New York: Oxford University Press, 1999.

McGill University. Biblioteca Osler da História da Medicina

Caso você tenha interesse, é possível baixar (de graça!) o famoso tratado de William Osler, “Principles and Practice of Medicine” em PDF e na íntegra: clique aqui.